Tag Archives: mel

Bolo de Figos Secos (Torres Novas)

A produção de figo é uma atividade fulcral na região de Torres Novas, recuando ao século XIX, quando surgiu como uma alternativa às vinhas, na altura fortemente afetadas por uma praga de insetos [a filoxera] que assolou a Europa. A boa adaptação ao meio fez com que a importância socioeconómica da cultura do figo ganhasse cada vez mais destaque na região, dando origem a novos hábitos, receitas e tradições que ainda hoje têm grande expressão. Gradualmente, o figo (fresco e seco) foi ganhando expressão a nível local e nacional, sendo hoje uma das mais fortes representações da região de Torres Novas.

Além de ser exportado e consumido localmente, o figo passou a ser usado na confeção de muitas receitas, sobretudo doces. Dentre elas, destaca-se este bolo de figos secos, que é uma das especialidades mais afamadas de Torres Novas. Além do figo, neste doce regional entram ingredientes como a amêndoa, o chocolate, especiarias (erva-doce e canela), brandy | conhaque, limão e mel.

Ingredientes:

  • 1 cálice de conhaque
  • 1 colher (café) de erva-doce em pó
  • 1 colher (sobremesa) de canela
  • 150 ml de água
  • 4 colheres (sopa) de mel + q.b. p/ a superfície
  • 40 g de chocolate em pó
  • 400 g de açúcar
  • 400 g de figos secos
  • 400 g de miolo de amêndoa
  • amêndoa p/ a decoração
  • raspa de 1 limão

Confeção:

Aqueça o forno 180º C.

Corte os figos em pedaços e coloque-os num tabuleiro.

Coloque a amêndoa noutro tabuleiro e leve ambos ao forno para alourarem um pouco.

Retire do calor, deixe arrefecer e triture os frutos secos. Reserve.

Misture o açúcar com a água, o chocolate, a erva-doce, a canela, a raspa do limão e o mel. Leve a lume brando cerca de 15 minutos, até obter ponto de fio (para verificar este ponto, mergulhe os dedos polegar e indicador em água fria; coloque um pouco de calda entre eles e, ao juntar e afastar os dedos, a calda forma um fio que se rompe facilmente, ficando uma apenas um pequena gota  em cada dedo).

Retire do lume e junte a amêndoa, o figo e o conhaque.

Leve novamente ao lume, mexendo sempre, até secar um pouco.

Retire e deixe arrefecer um pouco.

Deite o preparado, ainda quente, numa forma untada, e  calque bem com uma colher de pau.

Decore a superfície do bolo com a amêndoa e leve a meio do forno até alourar.

Deixe o bolo de figo arrefecer, desenforme e pincele com mel.

Bolo de Passas

Este bolo, cuja massa é recheada com passas, corintos e frutas cristalizadas, enriquecida com o aroma das especiarias e adocicada com mel ou melaço, é ótimo para servir nos meses mais frios de outono e inverno.

Faça a receita para as celebrações de Natal e/ou passagem de ano e verá que todos irão elogiar a sua escolha.

Ingredientes:

  • 1 colher (sopa) de canela
  • 1 colher (sopa) de fermento
  • 1 colher (sopa) de mel ou melaço
  • 1 pitada de noz-moscada
  • 125 g de corintos
  • 125 g de frutas cristalizadas
  • 160 g de farinha
  • 160 g de manteiga
  • 250 g de passas
  • 260 g de açúcar
  • 3 ovos
  • raspa de 1 limão
  • açúcar em pó p/ polvilhar

Confeção:

Ligue o forno a 180º C.

Bata bem a manteiga com o açúcar e junte os ovos, um a um.

Incorpore o mel, a raspa de limão e as especiarias.

Peneire a farinha com o fermento e envolva-os no preparado, juntamente com as passas, os corintos e as frutas cristalizadas, cortadas em pedaços.

Deite a massa numa forma redonda, previamente untada e polvilhada, e leve ao forno cerca de 45 minutos.

Retire o bolo do forno, deixe arrefecer e desenforme. Se desejar dar-lhe um aspeto mais requintado, polvilhe com açúcar em pó.

Vinho do Porto Quente (Entre Douro e Minho)

O consumo dos vinhos quentes aromatizados com especiarias é milenar, sendo os primeiros registos do início do Império Romano. Estas bebidas são particularmente apreciadas no inverno, sobretudo nas regiões mais frias, pelo vigor e aconchego que proporcionam.

Existem diversas receitas de vinhos quentes, a maioria delas feitas com vinhos doces, como é o caso do vinho do Porto. Esta receita em concreto é típica da região de Entre Douro e Minho, no norte de Portugal, está particularmente associada aos dias festivos do Natal. No entanto, o vinho do Porto quente é apreciado ao longo de todo o inverno, nos serões em frente à lareira.

Ingredientes:

  • ½ litro de vinho do Porto de boa qualidade
  • ½ cálice de aguardente velha
  • 1 colher (sopa) de mel
  • 1 chávena de (café) de passas
  • 1 chávena de (café) de corintos
  • 1 pau de canela

Confeção:

Leve o vinho do Porto ao lume e vá adicionando os ingredientes pela ordem indicada na listagem.

Mexa muito bem até levantar fervura.

Retire o pau de canela e sirva a bebida quente.

[shopeat_button]

Bolo de Frutos Secos com Glacê

Este bolo é a combinação perfeita de frutos secos (amêndoas, avelãs, tâmaras) com uma deliciosa cobertura com glacê. Um bolo intenso e envolvente, perfeito para compor uma mesa de festa.

Ingredientes:

Para a massa
  • 1 colher (sopa) de mel
  • 1 pitada de baunilha
  • 100 g de açúcar em pó
  • 110 g de miolo de amêndoa
  • 110 g de miolo de avelã
  • 250 g de tâmaras descaroçadas
  • 4 ovos grandes
  • 40 g de amido de milho
  • 75 g de manteiga
Para a cobertura
  • ½ chávena de açúcar em pó
  • 1 clara
  • 1 limão
  • tâmaras (opcional)

Confeção:

Bata as gemas com o açúcar e reserve.

Pique as tâmaras juntamente com as amêndoas e as avelãs. Misture com a manteiga amolecida e o mel.

Junte a gemada que reservou, o amido e a baunilha. Por último, adicione as claras em castelo firme.

Deite o preparado numa forma de aro, untada com manteiga.

Alise a superfície e leve ao forno, a 200° C, cerca de 15 minutos.

Baixe a temperatura para 180° C e deixe o bolo acabar de cozer.

Tire do forno, solte o aro e ponha o bolo sobre uma rede para arrefecer.

Numa tigela, bata muito bem o açúcar em pó com a clara, até obter uma cobertura uniforme. Junte o sumo de limão e misture.

Barre o bolo com uma espátula.

Deixe a cobertura secar durante 1 hora antes de mudar o bolo para um prato e, se desejar, decore com frutos secos.

Bolo de Mel da Madeira

O Bolo de Mel é o doce mais famoso do arquipélago da Madeira, caracterizando-se pela sua forma redonda e achatada e pelo longo período de conservação, que pode ir até 1 ano. Este bolo tradicional é confecionado à base de mel de cana e coberto com frutos secos, sendo enriquecido com diversas especiarias.

Embora não haja uma posição coerente relativamente ao seu aparecimento, a receita é muito antiga, remontando ao período áureo de produção do açúcar na região, entre o séc. XV e XVI. Há quem defenda que a receita terá surgido após a chegada das especiarias depois de descoberto o caminho marítimo para a Índia, havendo também quem alegue que é uma herança dos ingleses (que tiveram uma presença marcante na Madeira), mais não sendo do que uma adaptação do tradicional pudim de Natal dos britânicos.

Independentemente da origem, manda a tradição (já secular e que ainda hoje vigora) que o bolo de mel seja preparado no dia 8 de dezembro, para estar bom no Natal, festa de que faz parte integrante, embora seja consumido durante todo o ano.

Ingredientes:

Para a levedura
  • 300 ml de água
  • 30 g de fermento de padeiro
  • 500 g de farinha
Para a massa dos bolos
  • 1 kg de farinha s/ fermento
  • 1,5 g de cravinho
  • 1,5 g de erva-doce
  • 15 g de bicarbonato de soda
  • 15 g de canela
  • 150 g de banha
  • 150 g de passas
  • 200 ml de vinho da Madeira
  • 300 g de manteiga
  • 350 g de açúcar
  • 400 g de fruta cristalizada sortida
  • 50 g de amêndoa picada
  • 50 g de nozes
  • 800 ml de mel de cana da Madeira
  • 1 laranja

Confeção:

De véspera, prepare a levedura. Amasse a farinha com o fermento. Faça uma bola com a massa, tape com um plástico e deixar levedar em local ameno, entre 2 a 3 horas.

Quando o fermento estiver quase pronto, prepare a massa.

Peneire a farinha e o açúcar, faça uma cova ao meio e deite aí a massa de fermento, amassando muito bem.

Quando estiverem bem misturados, junte o mel, previamente amornado com as gorduras, ligando tudo. Junte os frutos, o vinho da Madeira com o bicarbonato, o sumo e a raspa da laranja e as especiarias.

Amasse bem até a massa se soltar do alguidar. Abafa-a com um pano e um cobertor, deixando-a levedar a uma temperatura amena, no mínimo durante 24 horas.

Deite a massa em formas redondas (15 cm de diâmetro e 4 cm de altura), muito bem untadas e forradas no fundo com papel vegetal, não as enchendo por completo.

Decore a superfície com meias nozes e/ou metades de amêndoa e leve a cozer em bem quente.

Depois de cozidos e frios, embrulhe os bolos em papel vegetal ou celofane e guarde-os em caixas, podendo conservar-se durante um ano.