Search Results for: pudim de Natal

Bolo de Mel da Madeira

O Bolo de Mel é o doce mais famoso do arquipélago da Madeira, caracterizando-se pela sua forma redonda e achatada e pelo longo período de conservação, que pode ir até 1 ano. Este bolo tradicional é confecionado à base de mel de cana e coberto com frutos secos, sendo enriquecido com diversas especiarias.

Embora não haja uma posição coerente relativamente ao seu aparecimento, a receita é muito antiga, remontando ao período áureo de produção do açúcar na região, entre o séc. XV e XVI. Há quem defenda que a receita terá surgido após a chegada das especiarias depois de descoberto o caminho marítimo para a Índia, havendo também quem alegue que é uma herança dos ingleses (que tiveram uma presença marcante na Madeira), mais não sendo do que uma adaptação do tradicional pudim de Natal dos britânicos.

Independentemente da origem, manda a tradição (já secular e que ainda hoje vigora) que o bolo de mel seja preparado no dia 8 de dezembro, para estar bom no Natal, festa de que faz parte integrante, embora seja consumido durante todo o ano.

Ingredientes:

Para a levedura
  • 300 ml de água
  • 30 g de fermento de padeiro
  • 500 g de farinha
Para a massa dos bolos
  • 1 kg de farinha s/ fermento
  • 1,5 g de cravinho
  • 1,5 g de erva-doce
  • 15 g de bicarbonato de soda
  • 15 g de canela
  • 150 g de banha
  • 150 g de passas
  • 200 ml de vinho da Madeira
  • 300 g de manteiga
  • 350 g de açúcar
  • 400 g de fruta cristalizada sortida
  • 50 g de amêndoa picada
  • 50 g de nozes
  • 800 ml de mel de cana da Madeira
  • 1 laranja

Confeção:

De véspera, prepare a levedura. Amasse a farinha com o fermento. Faça uma bola com a massa, tape com um plástico e deixar levedar em local ameno, entre 2 a 3 horas.

Quando o fermento estiver quase pronto, prepare a massa.

Peneire a farinha e o açúcar, faça uma cova ao meio e deite aí a massa de fermento, amassando muito bem.

Quando estiverem bem misturados, junte o mel, previamente amornado com as gorduras, ligando tudo. Junte os frutos, o vinho da Madeira com o bicarbonato, o sumo e a raspa da laranja e as especiarias.

Amasse bem até a massa se soltar do alguidar. Abafa-a com um pano e um cobertor, deixando-a levedar a uma temperatura amena, no mínimo durante 24 horas.

Deite a massa em formas redondas (15 cm de diâmetro e 4 cm de altura), muito bem untadas e forradas no fundo com papel vegetal, não as enchendo por completo.

Decore a superfície com meias nozes e/ou metades de amêndoa e leve a cozer em bem quente.

Depois de cozidos e frios, embrulhe os bolos em papel vegetal ou celofane e guarde-os em caixas, podendo conservar-se durante um ano.

Licor de Leite (Açores)

Este licor tradicional dos Açores – feito à base de leite, açúcar, álcool, limão, chocolate e baunilha – é geralmente preparado no início de dezembro, para ser servido no Natal. Apresenta uma coloração amarelo torrada e dele sobressai um leve aroma a baunilha.

Ingredientes:

  • 1 kg de açúcar
  • 1 limão
  • 1 litro de álcool a 90º
  • 1 litro de leite
  • 1 vagem de baunilha
  • 8 paus de chocolate (60 g)
  • filtros de papel

Confeção:

Deite num garrafão o açúcar, o álcool, a baunilha, o chocolate raspado e o limão – metade dele com a casca cortada em pedacinhos e a outra metade descascada e cortada em pedaços.

Adicione o leite e chocalhe para ligar os ingredientes.

Deixe o preparado a apurar, tapado, durante 15 dias, agitando-o todos os dias.

Passado este tempo de infusão, retire os pedaços de limão e filtre o preparado aos poucos, retirando cuidadosamente os resíduos. Deverá ter o cuidado de usar sempre filtros em perfeitas condições (sem qualquer furo ou demasiado desgaste) para conseguir um preparado límpido.

Dica:

Retire a parte branca da casca do limão para evitar que o licor amargue.

Nota:

Os resíduos filtrados reservam-se normalmente para a preparação do pudim de Natal.

Leite-creme Conventual

O leite-creme é uma das sobremesas de referência da cozinha tradicional portuguesa. A receita é de origem conventual, havendo inúmeras variantes, todas elas com uma generosa quantidade de gemas. Além de ser perfeito para servir à sobremesa, o leite-creme fica sempre bem numa mesa de festa, sendo presença habitual à mesa nas celebrações do Natal.

A receita aqui apresentada, cujo nome reforça a sua origem, terá sido criada no Convento de S. Bento de Monção, no distrito de Viana do Castelo.

Ingredientes:

  • 1 litro de leite
  • 12 gemas
  • 300 g de açúcar + q.b. p/ queimar
  • 75 g de farinha de trigo
  • casca de 1 limão

Confeção do modo tradicional:

Ferva o leite com a casca de limão. Deixe amornar e retire a casca de limão.

Junte a farinha, em chuva, ao leite e mexa bem para não criar grumos.

Bata as gemas com o açúcar até obter um creme esbranquiçado.

Junte a gemada ao leite e leve ao lume, mexendo sempre com uma vara de arames, até engrossar.

Deite o leite-creme numa travessa ou em taças individuais.

Depois de frio, deite açúcar na superfície e queime com um ferro próprio para o efeito ou com um maçarico de cozinha.

Preparação na Bimby:

Junte todos os ingredientes e programe 12 min./ 90º/ vel. 2 ½.

Retire a casca do limão e deite numa travessa ou em taças individuais. Depois de frio, deite açúcar na superfície e queime o leite-creme com um ferro próprio para o efeito ou com um maçarico de cozinha.

Nota:

As quantidades apresentadas são as da receita tradicional; poderá, no entanto, reduzir a quantidade de gemas e de açúcar, atendendo ao seu gosto pessoal.

SUGESTÃO:

Faça o aproveitamento das claras preparando um Pudim Molotov ou os deliciosos Amores de Azeitão.

Barriga de Freira

Esta deliciosa sobremesa, como o próprio nome indica, faz parte da doçaria conventual. A receita foi criada por freiras dos conventos portugueses do século XVII, sendo um dos doces mais tradicionais de Portugal e uma presença quase obrigatória na mesa de Natal de muitas famílias.

Ingredientes:

Para o doce
  • 100 g de amêndoas ralada
  • 12 gemas
  • 200 ml de água (200 g se for pesada na Bimby)
  • 500 g de açúcar
  • 50 g de miolo de pão
Para a cobertura e decoração
  • canela em pó p/ polvilhar
  • amêndoa p/ decorar (opcional)

Confeção Tradicional:

Rale o miolo do pão e reserve. A amêndoa poderá ser ralada finamente (sem pele) na altura da confeção do doce ou comprada já moída.

Leve a água com o açúcar ao lume e deixe ferver cerca de 2 minutos até ficar em ponto de pérola (verifica-se o ponto deixando correr um pouco de calda de uma colher; esta corre em fio e fica com uma bola suspensa na ponta). Retire do lume e deixe arrefecer um pouco.

Junte a amêndoa e o pão à calda e leve novamente a ferver em lume brando, mexendo sempre. Quando levantar fervura, mantenha mais um pouco no calor (cerca de 5 minutos).

Retire uma porção do preparado para uma taça e envolva nela as gemas, levemente batidas, mexendo rapidamente para que não cozam.

Junte o preparado das gemas à restante calda e leve novamente ao lume. Deixe ferver, mexendo sempre, até atingir ponto de estrada fraco (ao passar uma colher na calda, forma-se uma espécie de estrada que deixa ver o fundo do tacho).

Retire do lume e coloque num prato ou taças de servir. Sirva a barriga de freira fria, polvilhada com canela e decorada a gosto, com amêndoa.

Preparação na Bimby:

Coloque o pão no copo e rale durante 10 seg. / vel. 9. Retire e reserve.

Rale a amêndoa (sem pele) do mesmo modo que o pão e reserve.

Coloque a água e o açúcar no copo e aqueça 25 min. / Varoma / vel. 1.

Retire o copo da base e deixe a calda arrefecer, cerca de 15 minutos, até aos 60º C.

Junte a amêndoa e o pão à calda e programe 8 min. / Varoma / vel. 1.

Programe mais 15 min. / Varoma / vel. 1 e adicione as gemas, ligeiramente batidas, pelo bucal da tampa.

No fim do tempo, retire de imediato do copo e coloque num prato de servir ou distribua por taças individuais. num prato ou taças de servir.

Sirva a barriga de freira fria, polvilhada com canela e decorada a gosto, com amêndoa.

SUGESTÃO:

Prepare um Pudim Molotov para aproveitar as claras que não usou na Barriga de Freira.

Foto: http://www.teleculinaria.pt/

Doce de Amêndoas do Mosteiro do Lorvão

Feito somente com ovos, açúcar e amêndoas, este doce conventual, criado pelas mãos experientes das freiras do Mosteiro do Lorvão, em Penacova, é uma verdadeira tentação.

Este doce pode ser servido em qualquer ocasião, como sobremesa, mas é especialmente propício para uma ocasião festiva, como o Natal que agora se celebra.

Ingredientes:

  • 10 gemas
  • 400 g de amêndoa, ralada muito fina
  • 500 g de açúcar

Confeção:

Leve o açúcar ao lume e deixe apurar até fazer ponto de espadana (aos 117º C – ao retirar a colher depois de a mergulhar na calda, esta escorre em fitas largas, com o aspeto de lâmina).

Junta a amêndoa ralada, mexendo bem até a massa ficar ligada.

Deixe arrefecer um pouco e, ainda com a massa morna, acrescente as gemas.

Leve de novo ao lume para as gemas cozerem e a massa engrossar.

Sugestão:

Aproveite as claras, preparando um delicioso Pudim de Claras (molotov) com Nozes.

Foto meramente ilustrativa.