Category Archives: Doces de Colher

Charlotte com Torta de Laranja

Esta charlotte, relativamente às receitas tradicionais, destaca-se pelo facto de ser feita com torta e não com palitos La Reine. A laranja é o ingrediente de referência, mas o conjunto fica verdadeiramente delicioso.

Ingredientes:

Para a charlotte
  • 10 folhas de gelatina
  • 150 q de açúcar
  • 2 cálices de licor de laranja
  • 2 colheres (sopa) de farinha
  • 2 gemas
  • 2 ovos
  • 300 ml de natas
  • 500 ml de leite
  • 8 fatias de torta de laranja
Para a decoração
  • 1 laranja
  • groselhas q.b.

Confeção:

Coloque a gelatina de molho em água fria.

À parte, junte o açúcar com a farinha, os ovos e as gemas. Mexa bem e adicione o leite. Misture e leve a lume brando, mexendo até engrossar.

Retire o preparado do calor e reserve uma chávena para decoração. Ao restante creme, adicione as folhas de gelatina espremidas e o licor. Dissolva e deixe arrefecer.

Bata as natas e envolva-as no preparado anterior.

Forre uma forma com as fatias de torta e preencha-a com o creme de laranja.

Leve ao frigorífico até ficar bem firme.

Desenforme a charlotte e sirva-a, decorada a gosto, com o creme reservado, a laranja em meias-luas e groselhas.

Doce Dourado (Peso da Régua)

O doce dourado é típico do Peso da Régua, na região norte de Portugal, sendo a receita de origem conventual. Feito com amêndoa, miolo de pão, ovos (sobretudo gemas), manteiga e açúcar, o doce é ainda perfumado com limão e água de flor de laranjeira, fazendo uma sobremesa ótima.

É um doce festivo, servido no Natal e apreciado particularmente no inverno ou nos dias mais frios, uma vez que deve ser servido quente.

Ingredientes:

  • 1 limão
  • 100 g de manteiga
  • 100 g de miolo de amêndoa
  • 12 gemas
  • 150 g de miolo de pão
  • 2 colheres (sopa) de água de flores de laranjeira
  • 250 g de água
  • 3 claras
  • 500 g de açúcar

Confeção:

Leve o açúcar ao lume com a água até ficar ponto de fio (colocando uma gota da calda entre os dedos, forma-se um fio sem grande resistência). Deite então a amêndoa, deixando continuar a ferver.

À parte, derreta a manteiga, junte o miolo de pão esfarelado e envolva bem. Misture ao preparado anterior e cozinhe até ficar uma massa homogénea. Retire do lume e deixe arrefecer.

Acrescente as gemas e as claras batidas com a água de flor de laranjeira e a casca do limão ralada.

Volte a levar ao lume, mexendo sempre, até ter a consistência desejada. Sirva o doce quente.

Manjar Celeste (Ribatejo)

A doçaria conventual teve uma presença marcante na antiga região ribatejana, tendo deixado um delicioso legado no receituário regional. Exemplo disso é este doce, cujo nome diz tudo, um verdadeiro manjar dos Céus. A sobremesa, deliciosa e digna de ser servida numa ocasião festiva, resulta da sábia conjugação de ovos e açúcar com amêndoas.

Ingredientes:

  • 1 chávena de fios de ovos
  • 100 g de miolo de pão
  • 2 claras
  • 250 g de açúcar + 2 colheres (sopa)
  • 5 gemas
  • 50 g de amêndoas, peladas e raladas
  • água q.b.

Confeção:

Leve o açúcar ao lume com 100 ml de água e deixe ferver até fazer ponto fraco.

Junte o pão embebido em água, espremido e desfeito, e a amêndoa. Deixe ferver um pouco.

Bata muito bem as gemas e as claras com 2 colheres de açúcar.

Fora do lume, junte o preparado de pão e amêndoa ao preparado de ovos e açúcar e leve ao lume a engrossar até fazer estrada – ao passar a colher, vê-se o fundo do tacho.

Deite o doce num prato e enfeite com os fios de ovos.

Créditos da foto: http://mym-pt.blogspot.pt

Doce de Família (Estremoz)

Este doce é típico de Arcos, no concelho de Estremoz, Alentejo. Trata-se de uma sobremesa deliciosa, feita em camadas, começando por um doce de ovos que vai ao forno e é regado com calda de açúcar; por cima desta, são deitados ovos-moles e a cobertura é feita com açúcar queimado.

Uma receita perfeita para uma ocasião festiva ou para finalizar uma refeição em família, com sabores tradicionais do Alentejo.

Ingredientes:

Para o doce
  • 10 gemas
  • 5 claras
Para a calda
  • 200 ml de água
  • 300 g de açúcar
Para os ovos-moles
  • 100 ml de água
  • 125 g de açúcar
  • 5 gemas
Para a cobertura
  • 50 g de açúcar queimado

 Confeção:

Bata as gemas durante 15 minutos com a colher de pau.

Misture as claras em castelo e deite o preparado num tabuleiro (21 x 30 cm), untado e forrado com papel vegetal, também untado.

Leve a cozer em forno moderado.

Desenforme o doce em quente e ensope-o com uma calda em ponto de fio.

Para os ovos-moles, levar a água ao lume com o açúcar e deixe ferver cerca de 30 segundos. Retire.

Mexa muito bem as gemas e, com um passador, misture-as lentamente na calda, mexendo sempre com uma vara de arames.

Leve ao lume e mexa lentamente com colher de pau, em movimentos retilíneos, até ficar com a consistência desejada.

Cubra o doce com os ovos-moles e, por cima destes, deite o açúcar queimado, às colheradas. Alise rapidamente a superfície.

Com um ferro quente, queime o açúcar em diferentes sítios.

Ovos-moles Escuros (Estremoz)

A doçaria conventual portuguesa deixou-nos riquíssimas sobremesas, em que é usada uma quantidade generosa de ovos, açúcar e, em muitas receitas, também a amêndoa. Os ovos-moles são desses doces que fazem as nossas delícias e que trazem em si os sabores típicos de um bom doce conventual.

Esta receita de Estremoz caracteriza-se pela diferença de texturas dos ovos-moles – uma delas cremosa e suave, como estamos habituados, e uma outra que é escurecida, apresentando uma consistência seca. Mais uma deliciosa receita do Alentejo que vale a pena saborear…

Ingredientes:

  • 20 gemas
  • 40 ml de água
  • 80 g de açúcar

Confeção:

Leve o açúcar ao lume com a água até atingir o ponto de pérola (quando correr um fio de calda espesso, ficando uma gota suspensa no limite).

Retire a calda do calor, deixe arrefecer e junte as gemas batidas.

Leve de novo ao lume, mexendo sempre, até fazer estrada (ao passar a colher, vê-se o fundo da panela).

Deite metade do doce numa travessa ou em taças individuais. Reserve.

Leve os restantes ovos-moles de novo ao lume, mexendo sempre, para escurecerem e granularem. Retire os ovos-moles secos e coloque-os, nas taças, em volta dos que tinha reservado.

Foto adaptada de http://fotos.sapo.pt/sara