Category Archives: Doçaria Conventual

Sonhos (Vila do Conde)

Em Portugal (e no Brasil também), os sonhos são muito famosos e apreciados, estando particularmente associados a épocas como o Natal, altura em que abundam os fritos.

A receita que hoje trazemos é típica de Vila do Conde e teve a sua origem no Convento de Santa Clara, uma referência na doçaria conventual da região e mesmo do país. Sendo um doce conventual, caracteriza-se pelo uso abundante de ovos, não levando as tradicionais abóbora ou cenoura. No final, os sonhos são polvilhados com açúcar e canela ou regados com uma calda de açúcar.

Ingredientes:

Para a massa
  • ½ litro de água
  • ½ litro de leite
  • 1 pitada de sal
  • 18 ovos
  • 250 g de manteiga
  • 600 g de farinha de trigo
Para a cobertura
  • açúcar e canela ou
  • calda de açúcar em ponto de espadana
  • 2 gemas grandes

Confeção:

Leve ao lume a água com 1 pitada de sal, o leite e a manteiga.

Quando estiver a ferver, junte a farinha de trigo e mexa rapidamente.

Quando a massa ficar como uma bola, retire do lume, e com as mãos, amasse à medida que for juntando os ovos batidos.

Usando 2 colheres de sopa, retire porções de massa e frite os sonhos em azeite ou numa mistura de azeite.

Deixe fritar lentamente, batendo-lhes com as costas da colher, para que os sonhos se voltem e fritem de todos os lados.

Sirva os sonhos polvilhados com açúcar e canela ou com uma calda de açúcar em ponto de espadana, deitada numa tigela onde estejam já duas gemas grandes batidas.

GLOSSÁRIO:
  • Ponto espadana
    Obtido após cerca de 3 minutos de fervura. Deve colocar a água ao lume e só depois acrescentar o açúcar (60 ml de água para 250 g de açúcar), dissolvê-lo e não mexer mais a calda.
SUGESTÃO:

Caso opte por fazer a calda para a cobertura, poderá preparar Arrepiados de Amêndoa (receita AQUI), uma delícia da doçaria regional algarvia que lhe permitirá dar uso às claras que não foram usadas nos sonhos.

Toucinho do Céu

O toucinho do céu é um dos mais célebres doces tradicionais de Portugal, com origem na doçaria conventual. O nome deve-se ao facto de a receita original ter banha de porco nos ingredientes e, sendo um doce criado nos conventos, seria, pois, Toucinho do Céu.

Esta deliciosa sobremesa é feita à base de açúcar em ponto de pérola, amêndoas e uma grande quantidade de gemas. É um doce muito apreciado por todo o país, havendo algumas variantes regionais da receita, sendo as mais célebres as de Guimarães e de Murça.

Ingredientes:

  • 100 g de doce de chila
  • 150 g de amêndoas peladas e raladas
  • 16 gemas + 2 ovos inteiros
  • 200 ml de água
  • 500 g de açúcar
  • açúcar em pó p/ polvilhar

Confeção:

Leve a água e o açúcar ao lume cerca de 10 minutos, até obter ponto de pérola (este ponto, também conhecido como gota, atinge-se nos 108º C. É notório pela formação de uma bola na extremidade da calda, que corre em fio da colher)

Sem retirar a calda do lume, junte o doce de chila e a amêndoa, misturando bem. Deixe levantar fervura, sem parar de mexer, e retire.

Misture as gemas e os ovos e adicione um pouco do preparado anterior, misturando bem.

Junte a gemada à restante calda de açúcar e amêndoa e mexa até estar bem ligado.

Volte a levar ao lume, mexendo sempre, e retire quando começar a querer levantar fervura.

Deite o preparado numa taça, deixe arrefecer e, assim que estiver quase frio, despeje para uma forma de mola (22 cm de diâmetro), com o fundo previamente forrado com papel vegetal, untada com margarina e polvilhada com farinha.

Leve a cozer a 180 º C, cerca de 1 hora.

Depois de desenformado e frio, polvilhe o toucinho do céu com açúcar em pó.

Pastéis de Chila | Gila

A receita original dos deliciosos Pastéis de Gila (ou Pastéis de Chila) é da vila de Fão, no concelho de Esposende, de onde também provêm as famosas Clarinhas de Fão. Estes pastéis já eram muito conhecidos em finais do séc. XIX, havendo referências da doçaria conventual na sua confeção.

Veja como, além de deliciosa, esta receita é tão fácil de preparar.

Ingredientes:

Para a massa
  • ½ kg de farinha de trigo
  • 1 limão
  • 200 ml de água com sal
  • 50 g de manteiga
Para o recheio
  • 1 clara
  • 1 pau de canela
  • 3 colheres (sopa) de farinha de trigo
  • 4 laranjas
  • 500 g de doce de chila
  • 6 gemas
  • açúcar e canela p/ polvilhar

Confeção:

Misture a farinha com a manteiga derretida e as raspas do limão. Adicione pequenas porções de água, amassando até obter uma massa moldável. Tape com um pano e reserve.

Leve ao lume o doce de chila misturado com as gemas, a clara, a farinha, o sumo das laranjas e o pau de canela. Apure, sem deixar secar demasiado.

Espalhe o doce num prato largo, tire a canela e deixe arrefecer completamente.

Estenda a massa com um rolo sobre uma superfície polvilhada, corte em rodelas e recheie com o doce de chila (note que o doce deve estar frio para a massa não amolecer).

Feche os pastéis e aperte as bordas. Frite-os em azeite.

Escorra o excesso de gordura sobre folhas de papel absorvente e polvilhe os pastéis com açúcar e canela.

Foto: http://iguariasdeacucaresal.blogspot.pt

Doce Dourado com Chá

O doce dourado é de origem portuguesa, sendo uma sobremesa tradicionalmente natalícia, com raízes na doçaria conventual. Nesta receita, às gemas, à canela e ao pão, adiciona-se uma quantidade generosa de chá verde e chá preto que o tornam num doce particularmente intenso e revigorante.

Ingredientes:

  • 1 pau de canela
  • 250 g de miolo de pão de forma
  • 300 ml de chá preto
  • 300 ml de chá verde
  • 350 g de açúcar
  • 9 gemas
  • canela p/ polvilhar

Confeção:

Corte o pão em pedaços e regue com os chás coados e a ferver. Tape e reserve cerca de 15 minutos.

Entretanto, leve ao lume o açúcar, coberto de água, juntamente com o pau de canela, deixando ferver até obter uma calda. Deixe apurar o doce, sem parar de mexer. Extraia o pau de canela e retire do lume.

Quando arrefecer, acrescente as gemas batidas. Misture bem e leve de novo ao lume, mexendo constantemente, até as gemas cozerem e o doce engrossar.

Ponha o pão numa travessa e regue-o com o doce, ainda quente, polvilhando, por fim, com canela.

Doce Dourado (Peso da Régua)

O doce dourado é típico do Peso da Régua, na região norte de Portugal, sendo a receita de origem conventual. Feito com amêndoa, miolo de pão, ovos (sobretudo gemas), manteiga e açúcar, o doce é ainda perfumado com limão e água de flor de laranjeira, fazendo uma sobremesa ótima.

É um doce festivo, servido no Natal e apreciado particularmente no inverno ou nos dias mais frios, uma vez que deve ser servido quente.

Ingredientes:

  • 1 limão
  • 100 g de manteiga
  • 100 g de miolo de amêndoa
  • 12 gemas
  • 150 g de miolo de pão
  • 2 colheres (sopa) de água de flores de laranjeira
  • 250 g de água
  • 3 claras
  • 500 g de açúcar

Confeção:

Leve o açúcar ao lume com a água até ficar ponto de fio (colocando uma gota da calda entre os dedos, forma-se um fio sem grande resistência). Deite então a amêndoa, deixando continuar a ferver.

À parte, derreta a manteiga, junte o miolo de pão esfarelado e envolva bem. Misture ao preparado anterior e cozinhe até ficar uma massa homogénea. Retire do lume e deixe arrefecer.

Acrescente as gemas e as claras batidas com a água de flor de laranjeira e a casca do limão ralada.

Volte a levar ao lume, mexendo sempre, até ter a consistência desejada. Sirva o doce quente.