Category Archives: Doçaria Conventual

Broas das Donas (Santarém)

Estas broas foram criadas pelas freiras do Convento de S. Domingos das Donas, em Santarém, genericamente conhecido por Convento das Donas. Este convento, extinto no séc. XIX, era um dos mais antigos da cidade, sendo habitado pelas freiras da ordem dominicana. As hábeis mãos destas religiosas deixaram marcas no receituário regional de Santarém, sobretudo no que se refere à doçaria.

Dentre os doces conventuais criados por estas religiosas, destacam-se estas deliciosas broas, também conhecidas somente por broas de Santarém, que ficam um pouco duras e se conservam durante vários dias.

Ingredientes:

  • 1 colher (sopa) de canela
  • 1 colher (sopa) de erva-doce
  • 1 kg de farinha de trigo
  • 1 pitada de cravinho
  • 125 g de miolo de amêndoa
  • 150 ml de água
  • 250 g de açúcar amarelo
  • 400 ml de azeite fino
  • açúcar p/ polvilhar

Confeção:

Escalde as amêndoas e pele-as ainda quentes. Passe-as até ficar com um miolo fino e reserve.

Leve ao lume o azeite com a água, o açúcar e as especiarias.

Retire quando ferver e deite sobre a farinha, num recipiente largo.

Junte a amêndoa e bata até os ingredientes estarem bem ligados.

Deixe a massa arrefecer e molde pequenas broas redondas.

Disponha as num tabuleiro polvilhado com farinha e leve ao forno, pré-aquecido, até as broas cozerem e alourarem.

Ponha-as num prato de servir e polvilhe com açúcar.

Sopa Dourada (Alentejo)

Doce conventual, tradicionalmente presente na mesa de Natal, a sopa dourada alentejana, também poderá servir para aproveitamento de pão que esteja um pouco mais duro. O único senão desta sobremesa deliciosa é ser demasiado calórica, pelo que se deve comer com certa moderação…

Ingredientes:

  • 10 gemas
  • 100 g de pão frito (em pequenos cubos)
  • 100 g miolo de amêndoa
  • 150 g de doce de chila
  • 300 ml de água
  • 500 g de açúcar
  • canela em pó p/ polvilhar

Confeção:

Leve o açúcar a ferver com a água durante 10 minutos.

Retire a calda do lume e envolva nela o doce de chila, levando novamente a levantar fervura.

Já fora do lume, adicione o miolo de amêndoa e ponha a ferver durante 3 minutos. Deixe arrefecer um pouco.

Envolva preparado de amêndoa e chila nas gemas e mexa bem.

Leve ao lume, numa panela de barro, com o pão, mexendo até ficar consistente.

Coloque num prato de servir e salpique ou polvilhe com canela em pó. Sirva o doce depois de frio.

DICA:

Pode guardar as claras que não usou nesta receita, num recipiente de plástico, no congelador. Conservam-se durante cerca de 6 meses e, para as utilizar, basta descongelá-las normalmente.

Sopa Dourada (Entre Douro e Minho)

A sopa dourada é uma receita típica de Portugal, sendo uma sobremesa indispensável na mesa de Natal no norte do país.

Conheça a forma de confecionar este doce de origem conventual na região Entre Douro e Minho, em que a receita é aromatizada com água de flor de laranjeira e inclui frutas cristalizadas na decoração.

Ingredientes:

  • ½ kg de açúcar
  • 24 gemas
  • 250 g de amêndoas
  • 300 g de fatias de pão de ló
  • água de flores de laranjeira q.b.
  • frutas cristalizadas (picadas finamente) p/ decorar

Confeção:

Leve o açúcar ao lume, deixando ferver cerca de 2 minutos, até o pôr em meio ponto de espadana. Vá deitando algumas gotas de água de flor de laranjeira.

Quando o açúcar atingir o ponto, retire a calda do lume e regue com ela as fatias de pão de ló, que porá depois a escorrer numa grelha.

Leve novamente o açúcar ao lume para atingir o ponto de espadana (a calda cai da colher em lâmina).

Deite a amêndoa na calda, pise bem e deixe ferver mais um pouco.

Retire do lume para arrefecer ligeiramente.

Entretanto, bata bem as gemas. Aos poucos, vá deitando a calda sobre elas, mexendo sempre para que não coalhe.

Deixe engrossar até fazer rugas e deite sobre as fatias, cobrindo-as bem.

Decore com frutas cristalizadas.

Barriga de Freira do Vaticano (Monção)

Esta sobremesa é uma variante regional da tradicional Sopa Dourada, também designada localmente Doce de Chavo. Tem origem na doçaria conventual, sendo um doce regional típico da região de Monção, situada no norte de Portugal.

No essencial, destaca-se da receita tradicional de barriga de freira por ser feita à base de pão de ló e não do miolo de pão simples. Além disso, são usadas cerejas cristalizadas na decoração, ingrediente que não aparece nas restantes variantes do doce.

Ingredientes:

Para o doce
  • 125 g de amêndoas
  • 20 ml de água
  • 250 g de pão de ló
  • 500 g de açúcar
  • 9 gemas + 1 ovo inteiro
Para a decoração
  • canela p/ polvilhar
  • cerejas cristalizadas q.b.

Confeção:

Leve o açúcar ao lume com a água, até obter ponto de pasta.

Corte o pão de ló em fatias, disponha-as numa travessa e regue com metade do açú­car em ponto. Reserve.

Pele as amêndoas e passe-as pela trituradora, juntando-as depois à restante calda de açúcar. Adicione as gemas e o ovo, bem batidos. Misture tudo muito bem e leve a lume brando, mexendo sempre até engrossar.

Retire do calor e deite sobre as fatias de pão de ló, de forma a cobrir tudo. Polvilhe o doce com canela e enfeite com cerejas cristalizadas.

Barriga de Freira com Nozes

Existem diversas variantes do doce conventual que dá pelo nome de Barriga de Freira, muito célebre e apreciado de norte a sul de Portugal. A receita aqui apresentada é uma delas, destacando-se principalmente pela introdução de nozes, que não constam na receita tradicional.

Esta receita é simples de preparar e permite-nos aproveitar pão de sobra, além de nos possibilitar saborear uma das mais deliciosas sobremesas herdadas da doçaria conventual.

Ingredientes:

  • 120 g de miolo de pão
  • 150 ml de água
  • 250 g de açúcar
  •  6 gemas
  • canela q.b.
  • nozes a gosto

Confeção:

Rale o miolo do pão e reserve.

Leve a água com o açúcar ao lume, deixando ferver até atingir ponto de pérola.

Já com a calda de açúcar fria, junte o pão ralado e leve novamente ao lume até levantar fervura. Mantenha a calda em lume moderado durante cerca de 5 minutos, mexendo sempre. Retire do calor e reserve.

Bata levemente as gemas com um pouco de calda, mexendo rapidamente para que não cozam. Junte, então, as gemas à restante calda e leve novamente ao lume. Deixe ferver, mexendo sempre, até atingir ponto de estrada fraco.

Retire o doce do lume e distribua por tacinhas ou, se preferir, numa taça grande. Enfeite com canela e as nozes picadas e reserve no frigorífico até à hora de servir.