Aletria

A aletria é um doce tradicional português do Natal, servido também como sobremesa noutras ocasiões. Trata-se de uma receita fácil de preparar, que nos delicia a vista e o paladar.

É uma sobremesa idêntica ao arroz-doce e, tal como este, é decorada com canela. A diferença principal entre estes dois doces é o seu ingrediente base, sendo a aletria preparada com a massa que lhe dá o nome.

Ingredientes:

  • 100 g de aletria
  • 150 g de açúcar
  • 400 ml de leite
  • 50 g de manteiga
  • 3 gemas
  • casca de limão
  • canela q.b.

Confeção:

Coza a aletria em água durante 5 minutos e escorra-a.

Leve o leite ao lume juntamente com a casca de limão, o açúcar e a aletria, deixando a massa cozer.

Junte a manteiga e, fora do lume, misture as gemas previamente batidas.

Leve ao lume apenas para que as gemas cozam ligeiramente.

Polvilhe a aletria com canela e sirva numa travessa ou pratos individuais.

SUGESTÃO:

Aproveite as claras para fazer o sempre apetecível e vistoso Bolo Saint Honoré (receita AQUI).

Bolo de Frutos Secos com Glacê

Há momentos em que queremos um bolo delicioso que seja simples e fácil de fazer. Esta receita é perfeita para essas ocasiões; embora sendo fácil de preparar, o bolo é muito saboroso, com a vantagem de não ser tão pesado como um bolo de frutas tradicional.

As natas tornam-no num maravilhoso bolo húmido, enriquecido com amêndoas crocantes e frutos secos desidratados – tâmaras, figos secos, corintos e passas.

Ingredientes:

Para a massa
  • 1 colher (chá) de fermento em pó
  • 1 colher (sopa) de amido de milho
  • 125 g de açúcar em pó
  • 125 g de farinha de trigo
  • 125 g de tâmaras
  • 175 g de miolo de amêndoa pelada
  • 2 embalagens de natas
  • 5 ovos (claras e gemas separadas)
  • 75 g de corintos
  • 75 g de figos brancos secos
  • 75 g de passas grandes
Para a cobertura e decoração
  • 1 chávena de glacê
  • amêndoas ou outros frutos secos (opcional)

Confeção:

Triture finamente as amêndoas, as tâmaras descaroçadas e os figos.

Lave os corintos e as passas, enxagúe com um pano e retire as grainhas.

Bata as claras em castelo e junte, aos poucos, metade do açúcar.

Bata as gemas com o restante açúcar até esbranquiçarem.

Peneire a farinha com o amido de milho e o fermento. Misture com a gemada e, em seguida, com as natas batidas e as claras.

Por último, adicione os frutos secos e misture delicadamente.

Deite numa forma retangular forrada com folha de alumínio untada.

Leve ao forno, pré-aquecido a 200° C, cerca de 45 minutos.

Tire o bolo da forma e deixe-o arrefecer sobre uma rede.

Decore com a glacê e, se desejar, com amêndoas ou outros frutos a gosto.

Folhadinhos com Amêndoa

Estes bolinhos folhados, recheados com creme de pasteleiro, têm uma apresentação apelativa e são muito práticos, sendo ideais para servir numa festa de aniversário ou em qualquer outra ocasião festiva. No topo de cada um é colocada a amêndoa, mas antes levam uma cobertura do seu agrado; deixamos-lhe três ideias diferentes – escolha a que mais gostar ou faça folhadinhos com coberturas diferentes.

Ingredientes:

Para a massa
Para o recheio
  • 150 g de açúcar
  • 3 gemas
  • 500 ml de leite
  • 60 g de farinha de trigo
  • essência de baunilha q.b.
Para a cobertura e decoração

Confeção:

Comece por preparar o recheio, levando o 400 ml de leite a levantar fervura.

Misture muito bem o açúcar, a farinha e os ovos, adicionando depois 100 ml de leite frio.

Sem parar de mexer, deite o leite fervido, em fio, sobre o prepara­do.

Leve ao lume em banho-maria e vá mexendo sempre até engrossar.

Retire, envolva algumas gotas de aroma de baunilha e passe o creme para outro recipiente. Reserve.

Ligue o forno a 190° C.

Estenda a massa folhada sobre uma superfície polvilhada com farinha, até ficar com uma es­pessura muito fina. Apare as pontas com uma faca.

Corte a massa em pequenos quadrados de, aproximadamente, 4 cm de diâmetro e coloque sobre cada um o creme de ovos.

Dobre a massa de modo a que fique com a forma de um “guardanapo”.

Aqueça, em lume brando, um pouco da sua cobertura preferida (caramelo, mel ou geleia), mexendo sempre, até derreter. Escove travesseiros com atolamento derretida. Certifique-se de casaco completamente os topos dos travesseiros. Isto permite-lhes para umedecer.

Pincele os folhadinhos com a cobertura derretida, cobrindo toda a superfície.

Salpique-os com metades de amêndoas e leve ao forno cerca de 20 minutos ou até que os bolos estejam dourados.

Sugestão:

Aproveite as claras que não usou na preparação dos folhadinhos para fazer as sempre apetecíveis Línguas de Gato (receita AQUI).

Aletria com Ovos

A aletria com ovos é um doce tradicional de Natal, típico da região norte de Portugal. Este doce de colher é uma alternativa ao arroz doce, sendo o modo de confeção muito idêntico.

Há algumas variantes da aletria, com ou sem ovos, mas basicamente a receita consiste em preparar a massa que lhe dá o nome (aletria) cozida em leite, ovos, açúcar e limão, sendo polvilhada depois com canela.

Ingredientes:

  • 100 g de aletria
  • 150 g de açúcar
  • 3 gemas
  • 400 ml de leite
  • 50 g de manteiga
  • casca de 1 limão
  • canela p/ polvilhar

Confeção:

Mergulhe a aletria num tacho com água a ferver durante uns 5 minutos. Passado esse tempo, escorra bem a massa.

Leve o leite ao lume com a casca de limão, o açúcar e a aletria escorrida. Deixe cozer até a massa estar tenra.

Quando a aletria estiver cozida, retire o tacho do lume e junte a manteiga.

À parte, bata as gemas e junte um pouco do caldo da massa sempre, mexendo para aumentar a temperatura das gemas sem as talhar.

Junte a mistura com as gemas à aletria e leve ao lume, moderado, para que as gemas cozam ligeiramente. A aletria deve ficar com um pouco um pouco de liquido, porque este vai assentar depois de ir ao frigorífico | geladeira.

Sirva a aletria polvilhada com canela, tradicionalmente num padrão cruzado.

SUGESTÃO:

Com as claras que sobraram da preparação da aletria, faça uma receita tradicional de Beja com origem na doçaria conventual – os afamados e deliciosos Tosquiados (receita AQUI).

Pudim Flan da Estremadura

O pudim flan, conhecido no Brasil como pudim de leite, não tem uma origem bem definida. Acreditou-se durante muito tempo que derivava da doçaria conventual, desenvolvida no país a partir do séc. XVI. No entanto, não há registos fidedignos acerca da origem deste doce, que é atualmente a mais conhecida receita de pudim, mas crê-se que terá surgido na região da Estremadura, muito provavelmente em Lisboa.

Veja como preparar este magnífico doce de colher, fácil de preparar e económico, capaz de fazer as delícias de quem o saboreia.

Ingredientes:

Para o pudim
  • 500 ml de leite
  • 6 ovos
  • 6 colheres (sopa) de açúcar
Para o caramelo
  • 200 g de açúcar

Confeção:

Prepare o caramelo e barre com ele uma forma de pudim. Reserve.

Para o pudim, bata os ovos com o açúcar.

Aqueça o leite e junte-o, pouco a pouco, ao preparado anterior.

Deite a mistura na forma caramelizada, tape e leve a cozer em banho-maria, durante 40 a 45 minutos.

Retire do forno ainda mole e desenforme o pudim depois de bem frio.

Dica:

Se pretender cozer o pudim na panela de pressão, coloque um pano molhado e dobrado no fundo e cobra-o com aprox. 2 cm de altura de água, introduzindo depois a forma de pudim tapada.

Feche a panela e leve a cozer em lume moderado. Quando levantar pressão, reduza o lume para o mínimo e conte entre 10 a 12 minutos.

Retire a pressão e depois a forma da panela. Desenforme o pudim depois de frio.