Tag Archives: bolo podre

Bolo Podre da Madeira

Em Portugal, existem diferentes versões do bolo podre, sendo comum a utilização de especiarias. Na receita tradicional da Madeira, em vez destas, a massa é enriquecida com os frutos secos e as frutas cristalizadas, sendo, também por isso, um bolo muito popular na época do Natal.

Ingredientes:

  • 100 g de frutas cristalizadas (ou cidrão)
  • 125 g de amêndoas
  • 125 g de passas
  • 2 chávenas de açúcar
  • 2 chávenas de farinha
  • 2 chávenas de leite
  • 2 colheres (chá) de bicarbonato de sódio
  • 2 colheres (sopa) de banha
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • 2 colheres (sopa) de mel de cana
  • 2 ovos

Confeção:

Pique bem as frutas cristalizadas e reserve.

Bata e o açúcar com a manteiga e a banha.

Junte o melaço e o leite, misturando bem.

Acrescente os ovos e bata de forma a obter um preparado homogéneo.

Adicione a farinha, peneirada com o bicarbonato, e as frutas cristalizadas, envolvendo bem.

Deite a massa numa forma grande, untada e forrada com papel vegetal.

Leve a cozer, em forno pré-aquecido a 180º C, cerca de 1 hora.

Depois de cozido, retire o bolo do forno, deixe arrefecer um pouco e desenforme.

Foto: http://quichedemacaxeira.wordpress.com

Bolo Podre (Estremoz)

O bolo podre é uma receita muito popular em Portugal, conhecendo algumas variantes regionais. Nesta receita de Estremoz prevalecem ingredientes tipicamente alentejanos, com especial destaque para o mel e as especiarias.

O bolo fica macio e aromático, resultando numa deliciosa combinação de sabores. Perfeito para o lanche, a acompanhar uma chávena de café ou um chá quente.

Ingredientes:

  • 1 colher (chá) de canela
  • 1 colher (chá) de erva-doce em pó
  • 1 colher (chá) de fermento
  • 125 g de mel
  • 130 g de farinha
  • 6 ovos
  • 75 g de manteiga
  • 80 g de açúcar
  • raspa e suco de ½ laranja

Confeção:

Separe as claras das gemas e bata estas últimas com o mel, o fermento, o açúcar, a erva doce e a canela, a manteiga derretida, a raspa e o suco de laranja.

Junte a farinha e bata bem.

Bata as claras em castelo firme e acrescente-as ao preparado anterior, ligando-as de baixo para cima.

Deite a massa numa forma untada e polvilhada até atingir ¾ da altura. Tape com uma folha de alumínio untada e leve ao forno, previamente aquecido a 200º C, durante 20 minutos. Passado este tempo, tire a folha de alumínio e deixe aloirar mais 5 minutos.

Retire o bolo do forno, deixe arrefecer e desenforme.

Se desejar, poderá regar o bolo com mel aquecido. Para tal, pique a massa com um garfo, deitando depois o mel sobre o bolo.

Bolo Podre (Alentejo)

O bolo podre é uma receita tradicional da cozinha alentejana, com raízes na doçaria conventual. O azeite e a canela, bem como o mel, conferem a este delicioso bolo um sabor muito característico.

Ingredientes:

  • ½ kg de farinha
  • ½ litro (mal medido) de azeite
  • ½ litro (mal medido) de mel
  • 1 cálice de aguardente
  • 250 g de açúcar
  • 8 ovos
  • canela em pó
  • raspa de 2 laranjas

Confeção:

Separe as gemas das claras, bata estas últimas em castelo e reserve.

Bata muito bem as gemas com o açúcar e junte o mel e a canela, continuando a bater.

Acrescente o azeite, a raspa de laranja, o cálice da aguardente e a farinha.

Bata novamente muito bem e, por fim, incorpore delicadamente as claras batidas em castelo.

Unte uma forma com azeite e deite nela a massa, levando a cozer durante aproximadamente 1 hora em temperatura média.

Bolo Podre com Limão

O Bolo Podre é uma receita tradicional da cozinha alentejana, sendo das mais antigas da doçaria portuguesa. No Alentejo, o bolo podre é muito comum no Natal, sendo presença habitual à mesa na ceia da consoada. A receita que aqui apresentamos, enriquecida com limão, é uma variante da original.

Ingredientes:

  • 1 colher (chá) de canela
  • 1 colher (chá) de raspas de limão
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • 1 colher (sopa) de banha
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 1 colher (sopa) de mel
  • 250 ml de leite
  • 300 g de farinha c/ fermento
  • 350 g de açúcar amarelo
  • 5 ovos
  • açúcar em pó p/ polvilhar

Confeção:

Ligue o forno antes de iniciar a preparação do bolo.

Bata os ovos com o açúcar até obter uma mistura cremosa.

Junte o azeite, o mel, o leite, a banha e a manteiga (amolecidas em banho-maria), sem parar de bater.

Deite as raspas de limão e canela, juntando, por fim, a farinha. Misture a massa sem bater.

Deite numa forma, previamente untada e polvilhada, e leve ao forno, pré-aquecido a 180º C. Passados 40 minutos, verifique se o bolo está cozido.

Deixe arrefecer, desenforme e polvilhe com açúcar em pó.

Bolo Podre de Lorvão

O bolo podre é uma referência na doçaria tradicional portuguesa. Existem diversas variantes, algumas delas de origem conventual, como é o caso da receita que aqui se apresenta, proveniente do mosteiro do Lorvão, em Penacova – Coimbra.

Partindo dos registos da Junta de Freguesia do Lorvão, com base no manuscrito de uma freira descendente de família que esteve ligada ao Mosteiro de Lorvão, adaptamos a receita em termos de quantidades (pusemos metade das quantidades indicadas) e terminologia usada, de forma a ficar perceptível e redigida em português contemporâneo.

Ingredientes:

  • 10 g de amêndoas raladas
  • 1 kg de farinha de trigo
  • 250 g de açúcar
  • 450 ml de azeite
  • 50 g de fermento de padeiro (ver Nota)
  • cravo, erva-doce, canela e salsa

Confeção:

Leve o açúcar ao lume e, mal comece a ficar derretido (ponto de pastilha), acrescente o azeite, as amêndoas, as especiarias e a salsa.

Deixe ferver e junte a farinha, aos poucos, mexendo até esta estar bem cozida.

Deite o preparado num alguidar e vá mexendo, de forma a que arrefeça e seja possível amassar.

Amasse o preparado e, à medida que o faz, vá adicionando o fermento, em pedaços, ligando bem todos os ingredientes.

Cubra a massa e deixe-a levedar.

Leve a cozer em forno moderado.

Notas:
  • A receita não indica a quantidade de fermento a usar; introduzido-la, atendendo à quantidade de farinha empregue.
  • Reproduzimos abaixo a descrição feita no manuscrito da freira cuja família esteve ligada ao Mosteiro de Lorvão:

“Tomam-se dois litros de farinha de trigo, meio kilo de assucar e posto em pont de pastilha, deitam-se 9 decilitros de azeite e 20 grammas de amêndoas bem pisadas, cravo, herva doce, canela e salsa; quando isto ferver bastante, vae-se deitando a farinha, mexendo-se até estar bem cozida, pronta assim, deita-se n’ um alguidar e vae-se mexendo até que se possa amassar: ao amassar-se junta-se o fermento pouco a pouco feito em pedacitos, mas sempre amassando, quando estiverem prontos, cobrem-se até estarem lêvedos; fazem-se então os bolos apertando bem as mãos e pondo-se nas tigelas as formas, vão ao forno”.

Fonte: http://freguesiadelorvao.pt

Foto meramente ilustrativa.