A Doçaria Conventual Portuguesa


Doçaria Conventual

A doçaria conventual portuguesa é riquíssima e o nome desta categoria de receitas deve-se ao facto de serem doces criados por freiras que viviam em Conventos. Portugal é dos países em que a doçaria conventual tem maior destaque e mais enriqueceu a gastronomia portuguesa, tendo sido a base para muitas receitas de doces tradicionais e regionais.

A doçaria conventual tem como ingredientes de eleição o açúcar, os ovos (sobretudo as gemas) e as amêndoas. A par destes ingredientes, são também de salientar ingredientes como o doce de chila (particularmente presente na doçaria conventual e tradicional alentejana) e a folha de obreia (hóstia), utilizada em vários doces conventuais como os Celestes de Santa Clara ou as Gargantas de Freira, entre outros.

Os doces estiveram sempre presentes nas refeições dos conventos, mas somente a partir do século XV, com a divulgação do açúcar, atingiram notoriedade. O açúcar possibilitou a criação de várias “caldas”, que mãos sábias souberam encontrar e padronizar. Há que ter em conta que, naquela época, a população feminina dos conventos era, na sua maioria, composta por mulheres que não tinham escolhido o a vida conventual por fé, mas sim por imposição social. Para se entreterem durante o interminável tempo claustral, dedicavam-se à confeção de doces que foram diversificando e aprimorando.

Os conventos tinham fácil acesso aos diferentes produtos para praticarem uma boa mesa. No entanto, de todos os ingredientes presentes nos doces conventuais,  a par do açúcar e da amêndoa, a gema que tem grande relevância, estando a origem das riquíssimas receitas conventuais e intimamente relacionada com o aproveitamento de ovos, sobretudo a gema.

Portugal sempre teve uma grande produção ovícola, sendo mesmo o principal produtor de ovos da Europa entre os séculos XVIII e XIX. Grande parte da clara era exportada e usada como purificador na produção de vinho branco ou ainda para engomar os fatos elegantes dos homens mais ricos, nas principais cidades do mundo ocidental. Com tantas claras a serem utilizadas para diversos fins, havia um grande excedente de gemas. Inicialmente, eram deitadas para o lixo quantidades imensas de gemas ou então dadas aos porcos.

A quantidade excedentária de gemas, aliada à abundância do açúcar que vinha das colónias portuguesas foi a inspiração para a criação de maravilhosas receitas de doces à base da gema de ovos, nas cozinhas dos conventos. Os nomes atribuídos aos doces conventuais estão, pois, relacionados com a vida conventual ou a fé católica. Exemplo disso são, entre outras, receitas como:

Doces Conventuais 300x104 A Doçaria Conventual Portuguesa

Com o passar dos séculos, à medida que os conventos iam perdendo o fausto típico da Idade Média, mais do que a alimentação das freiras e monges, o destino dos doces conventuais era a venda nos vilarejos das redondezas do convento onde eram criados. O dinheiro obtido com a venda dos doces servia para reforçar o orçamento dos conventos, sendo muitas vezes uma importante fonte de rendimento para assegurar as necessidades diárias dos religiosos.

Aos poucos, as técnicas e segredos da confeção dos doces conventuais foi passando das freiras para as mulheres com quem tinham um contacto próximo ou que, por diversas razões, eram criadas nos conventos.

A partir de 1834, quando foi decretada a extinção das Ordens Religiosas em Portugal, as freiras e monges viram-se confrontados com a necessidade de angariarem dinheiro para o seu sustento. A venda de doces conventuais foi uma das formas encontradas para minimizar a sua situação financeira. Por isso, transmitiam, já fora dos conventos, as receitas às mulheres que as acolhiam e, dessa forma, as deliciosas receitas de doces conventuais portugueses, geralmente as mais simples, foram sendo conhecidas, tendo muitas delas passado de geração em geração e mantidas nas famílias das mulheres que contactaram diretamente com as doceiras conventuais.

EXPERIMENTE TAMBÉM ESTAS DELICIOSAS RECEITAS:

3 Respostas a A Doçaria Conventual Portuguesa

  1. eliane says:
    OLÁ:
    SOU BRASILEIRA, MAS MEUS AVÓS PATERNOS VIERAM DE PORTUGAL. MINHA PRÓXIMA VIAGEM QUERO FAZER INDO À PORTUGAL. CONHECER ESTE LUGAR TÃO MARAVILHOSO !!!
    MAS NÃO QUERO IR SEM EXPERIMENTAR DE TUDO UM POUCO, MINHA MÃE FOI À PORTUGAL E SEMPRE ELOGIAVA OS DOCES, PRINCIPALMENTE O PASTEL DE BELÉM.
    MINHA MÃE COMIA POR AQUI, MAS DIZIA QUE NEM NUNCA ERA IGUAL.
    TEM QUE SE IR À PORTUGAL, COMER OS ORIGINAIS.
    LINDO BLOG…
    :0)))
    ELIANE.
  2. Maria Emilia Moreira Ferreira says:
    Gostaria de me tornar num industrial da doçaria conventual, no entanto necessitava de receber formação nesta àrea. Podem-me informar onde posso fazer formação nesta area? Tenho 48 anos.
    Uma ultima questão: procuro produtores de folha de obreia podem informar-me de algum? Obrigada.
  3. maria bernadete ribeiro costa says:
    Agora no Brasil, morrendo de saudade desses doces maravilhosos, em especial os de feijão.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

[google-translator]